O combate ao trabalho infantil no Brasil e a inadmissibilidade do aumento da idade mínima para o trabalho*

Brasília-DF, quarta-feira, 17 de julho de 2024


Brasília, quarta-feira, 12 de junho de 2024 - 20:47      |      Atualizado em: 17 de junho de 2024 - 8:51

TRABALHO INFANTIL

O combate ao trabalho infantil no Brasil e a inadmissibilidade do aumento da idade mínima para o trabalho*


Por: Luciana Paula Conforti** e Evandro Pereira Valadão Lopes***

No dia 4 de agosto de 2020, a Convenção 182 da OIT sobre as piores formas de trabalho infantil alcançou a histórica ratificação universal, o que significa dizer que todos os 187 países-membros que integram a OIT (Organização Internacional do Trabalho) a subscreveram, feito jamais visto nos mais 100 anos de existência do referido organismo internacional¹.

Foto: reprodução

No Brasil, a Convenção 182 da OIT foi promulgada pelo Decreto 3.597, de 12 de setembro de 2000, que traz a Lista TIP (Lista das Piores Formas de Trabalho Infantil)2.

O tema da campanha de 12 de junho no Brasil, relativa ao Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, correalizada pelo FNPETI (Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil), Justiça do Trabalho, MPT (Ministério Público do Trabalho), MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) e OIT, é “trabalho infantil que ninguém vê”, para conscientizar “sobre o trabalho infantil como grave violação dos direitos humanos e uma forma de violência a crianças e adolescentes”.

A campanha ilustra diversas atividades realizadas por crianças e adolescentes, enquadradas nas Lista TIP, como o trabalho nas ruas, por exemplo3.

A Justiça do Trabalho, por meio do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e de Estimulo à Aprendizagem do Conselho Superior da Justiça do Trabalho, realizado pelos tribunais regionais do Trabalho, está engajada desde 2012 na luta pela erradicação do trabalho infantil e auxilia o Brasil a cumprir o compromisso assumido diante da comunidade internacional de extinguir as piores formas de trabalho infantil, com a promoção de encontros, estudos técnicos, seminários e debates de maneira contínua4.

Segundo dados recentes da “Pnad Contínua Trabalho de Crianças e Adolescentes”, de 2023, o trabalho infantil voltou a crescer no Brasil e “chega a 1,9 milhão de crianças e adolescentes”, o que representa “4.9% com idades entre 5 e 17 anos”, sendo que “756 mil exercem atividades perigosas, com riscos de acidentes ou prejudiciais à saúde, enquadradas nas piores formas de trabalho infantil, como operação de máquinas, manuseio de produtos químicos e extração de minério”5.

Nesse sentido, oportuno o tema escolhido para a campanha deste ano no Brasil, assim como o Projeto de Lei 3.697/21, do senador Fabiano Contarato (PT-ES), cujo relator é o senador Paulo Paim (PT-RS), que altera o art. 405 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), para proibir o trabalho de crianças e adolescentes nas ruas, praças e outros logradouros. A proposta legislativa em questão foi aprovada na Comissão de Direitos Humanos do Senado e aguada relatoria na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça)6.

Por outro lado, inadmissível a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 18/21 (e anexadas), que altera o art. 7º, inciso XXXIII da Constituição, para autorizar o trabalho sob o regime de tempo parcial, a partir dos 14 anos de idade.

Em 2021, causou profunda preocupação a discussão da referida PEC e no início de junho de 2024, houve parecer sobre a admissibilidade, na CCJ da Câmara dos Deputados7.

Segundo Arruda, Cesar e Oliva, sobre as PEC que objetivam a redução da idade para o trabalho, em especial a PEC 18/11, além de não atenderem aos interesses dos adolescentes:

[...] atentam contra a proteção integral e absolutamente prioritária que lhes deve ser conferida, inquestionavelmente violam o princípio do não retrocesso social e se chocam com o comando de elevação progressiva da idade mínima para o trabalho, que nunca deve ser inferior à do término do ensino compulsório8.

A Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), por meio de nota técnica, apresentou posição contrária à PEC 18/11 e apensadas, expondo, entre outros fundamentos, que a medida constitui “verdadeiro retrocesso no sistema de tutela de direitos fundamentais e, especificamente, à proteção da criança e do adolescente”, acrescentando que:

[...] A Constituição Federal de 1988, inicialmente, vedou qualquer trabalho para os menores de 14 anos, salvo na condição de aprendiz, a partir dos 12 anos. Contudo, a Emenda à Constituição 20, de 15 de dezembro de 1998, alterou o inciso XXXIII do artigo 7º e fixou a idade mínima para o trabalho de 14 para 16 e em 14 anos para o aprendizado. A alteração constitucional veio ao encontro da Convenção 138 da OIT, ratificada pelo Brasil, e a necessidade de o governo brasileiro enfrentar o grave problema da exploração do trabalho infantil. A OIT, na referida Convenção 138, estabeleceu que a idade mínima para a admissão no emprego não fosse inferior ao fim da escolaridade obrigatória, nem inferior a 15 anos, admitindo-se o patamar de 14 anos, como primeira etapa, para os países insuficientemente desenvolvidos (art. 2º, 3º e 4º). E nesse aspecto, não se pode olvidar, que o Brasil ampliou o tempo de escolaridade obrigatória de 8 para 9 anos no ensino fundamental, o que importa em sua conclusão aos 14 anos e, do ensino médio, aos 17 anos (EC 59/09)” [...]9.

Além disso, a nota técnica aponta que:

Não são aceitáveis os argumentos favoráveis ao trabalho da criança e do adolescente sob o pretexto de tirá-lo das ruas ou do crime, pois as estatísticas demonstram que, quanto mais cedo se começa a trabalhar, menor é a renda quando adulto, na medida em que há abandono dos estudos, da formação e da profissionalização. Abandono do próprio tempo de amadurecimento e conscientização das responsabilidades10.

Por ocasião da 112ª Conferência Internacional do Trabalho pela OIT, em Genebra, Suíça, o dia 12 de junho é marcado por sessão especial, com o tema “Cumpramos nossos compromissos: acabemos com o trabalho infantil” e pela comemoração dos 25 anos da aprovação da Convenção 182 sobre as piores formas de trabalho infantil, com destaque para a ratificação universal do citado instrumento. A OIT ressalta, ainda, a necessidade de se encontrar soluções multilaterais para problemas globais, reforçando que o trabalho infantil viola seriamente os direitos fundamentais e que cabe aos Estados, às organizações e à comunidade internacional observar a devida diligência nas cadeias de abastecimento globais. Países como a Etiópia, Guiné, Malawi e Siri Lanka alteraram suas legislações para ajustá-las quanto à idade mínima para o trabalho, o que foi relatado pela OIT11.

Assim, enquanto há união de esforços nos âmbitos nacional e internacional para a redução do trabalho infantil, a PEC 18/11 e anexadas vêm em sentido diametralmente oposto, com o risco de expor crianças a empregos para os quais não estão preparadas em termos de conhecimento, emocional e fisicamente.

Um dos maiores desafios a serem enfrentados no Brasil e em outros países é a naturalização desse tipo de exploração, seja por questões culturais, no sentido de que o trabalho é positivo para o desenvolvimento das crianças ou por razões econômicas, para a contribuição no sustento da família.

As crianças, devido à sua fragilidade, estão mais sujeitas a acidentes e doenças no trabalho do que os adultos, inclusive por não terem maturidade suficiente para perceberem os possíveis perigos das atividades a serem executadas. Além disso, muitas atividades podem ser prejudiciais ao bom desenvolvimento físico, moral e psicossocial da criança, sendo por essas e por outras razões, absolutamente proibidas no Brasil. Ademais, o trabalho pode acarretar traumas psicológicos advindos do amadurecimento precoce, do enfraquecimento dos laços familiares e do prejuízo ao desenvolvimento da escolaridade, e, consequentemente, das oportunidades.

A Constituição Federal de 1988 proíbe o trabalho por menores de 16 anos, salvo na condição de aprendiz aos 14, além da execução de trabalho noturno, perigoso e insalubre por menores de 18 anos (art. 7º, XXXIII). Referido diploma atribui ao Estado brasileiro assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, os direitos à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, e a oferecer proteção especial diante de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, com especial proteção às garantias trabalhistas e previdenciárias (§ 3º, do art. 227).

O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) — Lei 8.069, de 13 de julho de 1990 —, deixa claro que a criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, assegurando-se todas as oportunidades e facilidades, para os respectivos desenvolvimentos físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade e que tais direitos são garantidos sem qualquer discriminação, como idade, sexo, raça, etnia ou cor, entre outros (Art. 3º).

No plano de controle de convencionalidade, ao observarmos se a legislação do Brasil está de acordo com as normativas internacionais com as quais o Estado se comprometeu, as previsões protetivas a crianças e adolescentes vão muito além. O Brasil é signatário de diversos tratados de direitos humanos e Convenções da OIT que protegem crianças e adolescentes, como a Convenção 138 — idade mínima para o trabalho —, além da Convenção 182 — proibição das piores formas de trabalho infantil e ações para a sua eliminação.

É importante frisar que as convenções internacionais do Trabalho trazem patamares mínimos civilizatórios e que cabe aos países-membros da OIT avançarem em suas disposições internas e não retrocederem, para voltar a impor idade mínima para o trabalho inferior ao que hoje prevê a Constituição de 1988, pois o Brasil já avançou nesse aspecto e não há nada que justifique, em benefício das crianças e adolescentes, a redução da idade mínima para o trabalho. Como se viu, milhares de crianças e adolescentes estão trabalhando nas piores formas, vedadas por lei, o que além de colocar em risco suas integridades física e psicossocial, também prejudica os estudos.

Destaca-se que já houve a apresentação de outras PEC (propostas de emendas à Constituição) com o mesmo objetivo de redução da idade, citando-se a título exemplificativo, as de números 191/00, 271/00, 152/03, 268/08 e 363/09, todas rejeitadas. Não houve qualquer alteração da situação fática-social do país, o que leva à inadmissibilidade da redução da idade para o trabalho. Ao contrário, houve o agravamento do trabalho infantil, com o aumento dos índices, como já demonstrado, o que requer o fortalecimento das medidas de proteção e não a respectiva flexibilização.

O trabalho infantil é um dos problemas mais graves e desumanos em nível mundial, motivo pelo qual, é necessário que toda a sociedade, parlamentares e a comunidade jurídica estejam atentos para impedir qualquer tipo de fragilização da proteção legal, principalmente a redução da idade mínima para o trabalho, sob pena de inegável retrocesso social, o que além de contrariar a Convenção 138 e a Convenção 182 da OIT, viola o princípio da progressividade, previsto no Art. 26 da Convenção Americana de Direitos Humanos12.

(*) Título original

(**) Presidente da Anamatra (Associação Nacional de Magistrado da Justiça do Trabalho), Doutora em Direito, Estado e Constituição (UnB), juíza do Trabalho do TRT da 6ª Região (PE).

(***) Ministro do TST (Tribunal Superior do Trabalho), coordenador nacional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil e Estimulo à Aprendizagem da Corte.

______________

1 CONFORTI, Luciana Paula. PORTO, Noemia Garcia. Convenção da OIT faz história: o compromisso global para erradicar o trabalho infantil. Disponível em: https://www.amatra9.org.br/artigo-convencao-da-oit-faz-historia-o-compromisso-global-para-erradicar-o-trabalho-infantil/#. Acesso em: 11 jun 2024.

2 Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3597.htm#. Acesso em: 11 jun 2024.

3 Disponível em: https://www.ilo.org/pt-pt/resource/news/campanha-lanca-olhar-para-invisibilidade-do-trabalho-infantil-no-brasil. Acesso em: 11 jun.2024.

4 Disponível em: https://tst.jus.br/web/trabalho-infantil. Acesso em: 11 jun 2021.

5 Disponível em: https://oglobo.globo.com/economia/noticia/2023/12/20/trabalho-infantil-volta-a-crescer-no-pais-e-chega-a-19-milhao-de-criancas-e-adolescentes.ghtml. Acesso em: 11 jun 2024.

6 Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D3597.htm#. Acesso em: 11 jun 2024.

7 Disponível em: https://www.diap.org.br/index.php/noticias/agencia-diap/91851-pec-do-trabalho-infantil-recebe-parecer-favoravel-do-relator. Acesso em: 11 jun 2024.

8 ARRUDA, Kátia Magalhães; CESAR, João Batista Martins; OLIVA, José Roberto Dantas. A PEC 18/11 e o retrocesso no combate ao trabalho infantil. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/opiniao/2021/12/4973191-a-pec-18-2011-e-o-retrocesso-no-combate-ao-trabalho-infantil.html. Acesso em: 28 ago 2022.

9 Disponível em: https://www.anamatra.org.br/imprensa/noticias/31551-anamatra-discute-mobilizacao-contra-pec-18. Acesso em: 27 ago 2022.

10 Disponível em: https://www.anamatra.org.br/attachments/article/24477/pec-18-2011_nota-tecnica-formatada_agosto2015.pdf. Acesso em: 11 jun 2024.

11 Disponível em: https://acrobat.adobe.com/id/urn:aaid:sc:VA6C2:324e6c9a-6e69-4866-9e8d-3c27ae2aab27 p, 21-22. Acesso em: 11 jun.2024.

12 REIS, Daniela Muradas. O princípio da vedação do retrocesso no Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2010.

Artigo publicado pela Agência Diap.









Últimas notícias

Notícias relacionadas



REDES SOCIAIS
Facebook Instagram

Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal

SCS Quadra 1, Bloco K, Edifício Denasa, Sala 1304,
Brasília-DF, CEP 71398-900 Telefone (61) 3034-8685
recp.saepdf@gmail.com