Negociação difícil no ensino superior e ainda sobre a contribuição assistencial

Brasília-DF, sábado, 24 de fevereiro de 2024


Brasília, segunda-feira, 9 de outubro de 2023 - 23:3      |      Atualizado em: 7 de novembro de 2023 - 11:58

Negociação difícil no ensino superior e ainda sobre a contribuição assistencial

Sindicato representa e luta pelos auxiliares, e os trabalhadores fortalecem o SAEP, com a filiação e o financiamento da luta por mais direitos, dignidade, salário decente e melhores condições de trabalho

Por pressão dos patrões, os sindicatos perderam a ultratividade. Assim, direitos e conquistas da convenção ou acordo coletivo anterior zeram quando “vencem”. Isto torna a negociação salarial muito mais difícil e complicada. Foi o caso do processo negocial com as mantenedoras.

O princípio da ultratividade consiste na prolongação dos efeitos de determinada norma — no caso, a convenção ou acordo coletivo de trabalho — para além do prazo da vigência, até que nova norma seja pactuada.

Então, lembramos que as negociações com o Sindepes — sindicato das instituições de ensino superior ou mantenedoras —, foram extremamente difíceis, pois foram iniciadas com o sindicato patronal propondo a retirada de direitos.

Sindepes contra estabilidade
Uma das “propostas” patronais ao SAEP foi a retirada da estabilidade no emprego às vésperas da aposentadoria. Pura perversidade contra o trabalhador, que o Sindicato entendeu e entende como inegociável.

Os empregadores propuseram retirar a estabilidade para o trabalhador que está prestes a se aposentar. Ou seja, o auxiliar contribuiu para que o patrão saísse da edificação pré-moldada e hoje é um grande pátio com prédios espelhados, mas na véspera de se aposentar, querem tirar a estabilidade desse trabalhador ou trabalhadora.

Essa cláusula social que o SAEP não abriu, nem abre mão, significa a dignidade do trabalhador, que se perder o emprego às vésperas da aposentadoria tem 2 prejuízos graves: primeiro, não consegue outro emprego; e segundo, não consegue se aposentar. Nessas condições, esse trabalhador ou trabalhadora vai viver como?

Trata-se, então, de “proposta” indigna do sindicato patronal, que sem a luta do SAEP teria sido aprovada.

Vigência da Convenção
Aspecto importante da negociação foi a validade, por 2 anos, da Convenção Coletiva, pois isto dá estabilidade para os trabalhadores.

Então, foi muito importante assinar a CCT (Convenção Coletiva de Trabalho), com vigência bianual — 2023-2025 — vez que, nesta campanha salarial e reivindicatória, pós-covid-19, o patronato acentuou a afoiteza desrespeitosa e arrogante de tentativa de retirar nossas conquistas históricas.

Cronologia da negociação com Sindepes e conquistas
A primeira rodada da negociação foi em 28 de abril. A presidente do SAEP, Maria de Jesus, informou que ocorreram mais de 10 reuniões das comissões de negociação — sindical e patronal —, sendo que a primeira contraproposta apresentada pelo Sindepes só ocorreu em 31 de maio.

Depois do 10º encontro das comissões representativas é que foi possível fazer o acordo. Isso, devido, desde o começo, à muita insistência do SAEP de não permitir a retirada de direitos e conquistas.

O sindicato patronal queria o rebaixamento de nossos ganhos. Foi com muita luta e negociação que foi possível construir proposta adequada e com avanços para deliberar na assembleia que aprovou a Convenção:

1. reajuste de 4% para todos os auxiliares, a partir de 1º de maio de 2023, e reajuste pelo INPC/IBGE, a partir de 1º de maio de 2024;

2. auxílio-alimentação no valor de R$ 32, a partir de 1º de maio 2023;

3. abono de R$ 86 a ser pago na folha de setembro de 2023;

4. manutenção da data-base, em 1º de maio 2023;

5. CCT com vigência de 2 anos;

6. pagamento das diferenças salariais de maio, junho, julho e agosto, até o 5º dia útil de novembro;

7. abono de 20% do banco de horas devedoras acumuladas no período da covid-19; e

8. manutenção da cláusula das bolsas de estudos.

Fortalecimento do SAEP
Por tudo isto que foi descrito acima é que o Sindicato pede a cada 1 dos trabalhadores que ajude a fortalecer nossa ferramenta de luta, que é o SAEP. Sem o Sindicato, todas estas conquistas não seriam possíveis.

Daí a necessidade de a categoria contribuir com o Sindicato, com a taxa assistencial, de modo a fortalecer a categoria, com direitos e conquistas, para a categoria fortalecer o SAEP. É troca justa e razoável.

Trata-se, pois, de via de mão dupla. O Sindicato representa e luta pelos auxiliares, e os trabalhadores fortalecem o SAEP, com a filiação e o financiamento da luta por mais direitos, dignidade, salário decente e condições de trabalho dignas.

Vamos fortalecer o SAEP para o Sindicato fortalecer os auxiliares!









Últimas notícias

Notícias relacionadas



REDES SOCIAIS
Facebook Instagram

Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal

SCS Quadra 1, Bloco K, Edifício Denasa, Sala 1304,
Brasília-DF, CEP 71398-900 Telefone (61) 3034-8685
recp.saepdf@gmail.com