Governo propõe mínimo de R$ 1.320, centrais querem R$ 1.343

Brasília-DF, sexta-feira, 21 de junho de 2024


Brasília, sexta-feira, 17 de fevereiro de 2023 - 15:7      |      Atualizado em: 6 de março de 2023 - 10:24

Governo propõe mínimo de R$ 1.320, centrais querem R$ 1.343


Fonte: https://www.diap.org.br/index.php/noticias/agencia-diap/91249-governo-propoe-minimo-de-r-1-320-centrais-defendem-r-1-343

O governo anunciou, nesta semana, que em maio pode entrar em vigor novo valor do salário mínimo de R$ 1.320, isto é, com ganho real, depois de 4 anos com o piso nacional congelado pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

O valor do piso atual é o do governo anterior — R$ 1.302.

Esse novo reajuste deve ocorrer a partir de 1º de maio, Dia do Trabalhador, cujo aumento real significa 1,3% em relação aos atuais R$ 1.302.

Sem política de valorização permanente desde 2019, o piso é negociado ano a ano entre Poder Executivo, Congresso Nacional e centrais sindicais durante a discussão do projeto de lei orçamentária.

Todavia, as centrais sindicais discordam do valor proposto pelo governo e propõem piso mais elevado, de entre R$ 1.343 e R$ 1.382.

CTB
A proposta do governo “fere as expectativas do movimento sindical. Não dá para silenciar diante dos fatos e nós não devemos nos calar. Primeiro que os R$ 1.320 contradizem aquilo que nós sugerimos em manifesto do Fórum Unitário das Centrais. Ainda que nós não tivéssemos a possibilidade de recuperar todo o prejuízo causado pelo governo Bolsonaro já no primeiro ano do governo Lula, quando sugerimos R$ 1.343, nós estávamos considerando que pelo menos repor a inflação e a variação do PIB dos últimos dois anos seria necessário para inaugurar aquilo que o governo propôs.”

“O salário mínimo vigente no Brasil está anos-luz de distância do que deveria ser, com base no cálculo do Dieese (R$ 6.641,58). Temos que considerar o estágio de profunda desigualdade em que estamos, com uma realidade que assusta a milhões de famílias, dada a insegurança alimentar e o flagelo social. É urgente que o governo tome para si essa bandeira fundamental que foi utilizada como moeda forte na campanha”, rememorou o presidente da central, Adilson Araújo.

Força Sindical
Em nota, a Força Sindical entende que “valorizar o piso nacional é uma ótima oportunidade de o governo federal demonstrar sensibilidade social e contribuir para distribuir renda e diminuir as desigualdades no País.”

“Assim como, a tabela do Imposto de Renda, com defasagem que chega 148%, deve ter uma correção justa e progressiva.”

CUT
Central vai além e propõe que piso nacional tenha reajuste de 6,2%. “Os cálculos do Dieese mostram que, se o Programa de Valorização do Salário Mínimo não tivesse sido interrompido, hoje valor deveria ser de R$ 1.382,71. O que significa uma valorização de 6,2%.”

“A retomada do crescimento econômico só se dará com uma política consistente de valorização salarial. É a força dos trabalhadores que movimenta a economia brasileira”, defende a central.

CSB
“A Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) considera positivo o anúncio do presidente Lula em que confirma o reajuste do salário mínimo para R$ 1.320 e a atualização de 38% da tabela de imposto de renda para pessoas físicas (IRPF).”

“São importantes conquistas para a classe trabalhadora após anos de constantes ataques e de arrocho salarial provocada pelo congelamento da tabela que onera milhões de trabalhadores. Apesar de reconhecermos a importância do anúncio, entendemos que é preciso ir além.”

Salário necessário
Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o salário mínimo ideal ou indispensável para atender às necessidades de família de 4 pessoas seria de R$ 6.641,58, em janeiro.

Este valor é feito segundo cálculos da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Dieese.

O valor sugerido corresponde a 5,2 vezes o piso federal atual, de R$ 1.302.

Fonte: https://www.diap.org.br/index.php/noticias/agencia-diap/91249-governo-propoe-minimo-de-r-1-320-centrais-defendem-r-1-343









Últimas notícias

Notícias relacionadas



REDES SOCIAIS
Facebook Instagram

Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar em Estabelecimentos Particulares de Ensino no Distrito Federal

SCS Quadra 1, Bloco K, Edifício Denasa, Sala 1304,
Brasília-DF, CEP 71398-900 Telefone (61) 3034-8685
recp.saepdf@gmail.com